O Sol é um elemento essencial à vida e oferece-nos imensos benefícios, sendo ele um precursor da vitamina D desempenha um papel importante no crescimento e saúde óssea, regula os ritmos do nosso organismo além de ter um enorme peso no nosso bem-estar. Apesar das vantagens importantes, deve ser salvaguardado o facto de também se poder considerar uma ameaça à nossa saúde caso a exposição ao sol não seja feita de forma responsável e doseada. 

Os danos causados podem ser ligeiros ou causar sequelas graves a longo prazo, pois a radiação à qual nos expomos vai danificando a nossa pele ao longo do tempo. Danos como queimaduras solares, manchas na pele, fotoenvelhecimento cutâneo, melanomas, queratose actínica, são alguns dos exemplos das marcas que o sol nos pode deixar.


Radiação UVA e UVB:

A radiação solar é composta pela radiação ultravioleta A (UVA) e ultravioleta B (UVB), que penetram de forma diferente. A radiação UVB penetra apenas numa camada mais superficial da pele (epiderme) enquanto que a UVA penetra mais profundamente na derme.

A radiação UVB é sobretudo responsável pela vermelhidão (eritemas), queimaduras solares e é também a radiação responsável por deixar o tom  bronzeado na pele uma vez que actua na melanina que é a substância responsável por conferir cor à pele.

A radiação UVA é responsável pelo aparecimento prematuro de rugas (fotoenvelhecimento) e manchas.

Ambas as radiações são fatores preponderantes no aparecimento de cancro da pele, além de existirem estudos que comprovam que também têm impacto no sistema imunitário.

 

Figura 1 - Queimadura solar I Fotoenvelhecimento 

A prevenção é o melhor remédio…

A exposição solar não ocorre apenas nas idas à praia ou nas férias, existem muitas actividades do nosso quotidiano que nos expõem à radiação solar e devem ser consideradas, como por exemplo: prática de desporto ao ar livre, caminhadas, trabalho no campo ou mesmo longas horas de condução, os vidros além de não conferirem proteção ainda refletem a radiação. 

A radiação que é refletida como por exemplo na neve (85%), na areia (20%), na água e na relva (5%) é perigosa porque apesar de não incidir diretamente na pele, acaba por expor o nosso corpo à radiação sem nos apercebermos. Um exemplo disso são os eritemas solares que acontecem mesmo quando estamos ao abrigo dos chapéus de sol, apesar da protecção aos raios UV directos, a radiação  reflectida na areia atinge a nossa pele.

 

O ideal é dosear a sua exposição ao sol  usando sempre protetor solar e seguir algumas dicas:

  • Expor-se gradualmente ao sol para a pele se adaptar;
  • Evitar a exposição solar directa entre as 12 e às 16h;
  • Usar protetores solares com um fator de proteção solar elevado (30 ou 50+) e ter em atenção a sua composição (devem ter filtros UVA e UVB);
  • Aplicar o protetor solar 20 minutos antes da exposição solar e renovar a aplicação ao longo do dia (de 2h em 2h é o recomendado);
  • Até aos 2 anos de idade optar por um protector solar mineral, evitar radiação directa;
  • Usar óculos de sol com proteção UV tanto nas crianças como nos adultos (as lentes escuras não são sinónimo de proteção);
  • Proteger as zonas sensíveis com roupa escura, chapéus e sempre que possível roupas com proteção UV em especial nas crianças.
  • Evitar solários 
Desculpas para não utilizar protector?

Actualmente existem protetores solares com variadas texturas e diversos tipos de aplicações, por isso a desculpa de não querer utilizar devido a textura não ser agradável ou deixar manchas já nãos se aplica. Existem texturas em gel transparentes óptimas para quem tem muita penugem, textura fluidas e loções que são facilmente absorvidas, os sprays transparentes que se tornam muito cómodos, os sticks que são óptimos para colocar nas zonas sensíveis como cicatrizes ou manchas (muito utilizado também em desportos com elevada exposição solar como o surf e o ski). 

Além disso existem alguns protetores que já possuem na sua composição substâncias calmantes (como por exemplo as calaminas) e até anti-inflamatórios para prevenir os eritemas que podem surgir com as alergias e intolerância solar. Cosmeticamente também existem protetores muito agradáveis ao toque como por exemplo as brumas que são fáceis de retocar, em pó compacto com cor que substituem as bases, com nácares (partículas brilhantes) que são óptimos para aquele efeito cintilante do bronzeado, protetores estimuladores do bronzeado, hidratantes entre outras opções.


Cuidar da pele

Os raios solares tornam a pele mais seca, desidratada (podendo até descamar), ficar sem brilho, perder elasticidade ou até mesmo criar manchas no rosto ou outras zonas do corpo. 

Para cuidar da melhor forma da sua pele deve hidratá-la com regularidade e com mais rigor após a exposição solar, favorecendo assim a sua reparação. Fazer uma esfoliação após as férias é também vantajoso para remover as células mortas que se encontram à superfície da pele, ajudando assim a renovação celular e melhorar a absorção dos produtos hidratantes que deverá aplicar após essa esfoliação.

As manchas de hiperpigmentação e sinais de fotoenvelhecimento da pele são mais comuns nas peles mais claras ou em pessoas que se expõem excessivamente ao sol e manifestam-se essencialmente no rosto, mãos, decote, braços e ombros.

A melhor forma de evitar as manchas é dosear a exposição e protegendo-se, pois uma vez a mancha instalada nem sempre é fácil removê-la. Para corrigir as manchas deve usar produtos que actuam sobre a melanina reduzindo a sua produção e eliminando o excesso, nunca esquecendo de usar constantemente um protector solar nessas zonas para não voltar agravar a manchar, deve por isso ser persistente pois as manchas não desaparecem de um dia para o outro.

As grávidas devem ter um cuidado acrescido, devido às alterações hormonais têm mais propensão ao aparecimento de manchas (o tão conhecido “pano da gravidez” ou Cloasma).

Se pretende envelhecer sem manchas e com menos rugas, já sabe que a sua melhor aliada é mesmo a protecção.

Queratose Actínica

Certamente que já se deparou com casos desta doença cutânea porém nem sempre é fácil fazer o diagnóstico. Esta queratose solar provocada pela exposição prolongada à radiação solar é precursora do cancro da pele.

Esta patologia caracteriza-se por uma pequena área áspera, vermelha ou esbranquiçada, por vezes com dor ou prurido ou até uma pequena ferida ou marca que teima em não desaparecer.

Localiza-se em zonas mais expostas ao sol como couro cabeludo, orelhas, nariz, face, mãos e braços e geralmente ocorre com maior frequência nos idosos embora estejam a aumentar os casos em indivíduos com menos de 40 anos de idade.

  

Esta doença ocorre maioritariamente nas peles sensíveis, que facilmente apresentam queimaduras solares e que estiveram expostos à radiação UV durante anos (actividade profissional, desportos, etc) e nos imunodeprimidos (por exemplo: devido a transplantes de órgãos). 

Todos os casos de queratose actínica devem ser tratados e vigiados por especialistas.


Cancros da pele: vigiar

Os cancros da pele são dos cancros mais comuns em todo o mundo e em maior “expansão”, mas também os mais fáceis de prevenir adotando os cuidados que já abordamos e também vigiando a pele regularmente.

Está em risco particularmente elevado se:

  • Tem pele clara ou é propenso a queimaduras solares;
  • Sofreu queimaduras solares na infância;
  • Teve uma grande exposição ao sol (a trabalhar ou em lazer);
  • Faz exposições periódicas ao sol (por exemplo, nas férias);
  • Recorre a solários;
  • Tem mais de 50 “sinais” (nevos) no corpo;
  • Foi submetido a um transplante de órgão.

 

Método ABCDE:

Deve examinar os sinais da sua pele de 2 em 2 meses, procurando sinais que:

  • Sofreram alguma alteração de tamanho e/ou forma;
  • Têm aspeto diferente dos restantes;
  • São assimétricos ou com bordos irregulares;
  • São ásperos ou escamosos (pode sentir as lesões antes delas se tornarem visíveis);
  • Têm várias cores;
  • Dão vontade de coçar;
  • Sangram ou libertam líquido;
  • Têm aspecto rosado;
  • Parecem uma ferida, mas não cicatrizam.(1,2)

O método ABCDE é simples e pode ajudar a detectar um melanoma:

 Método ABC

Se encontrar dois ou mais sinais de alerta, consulte o seu médico ou dermatologista.


Proteger é o melhor remédio, mas não deixe de usufruir do sol e dos seus vastos benefícios, e sobretudo do bem-estar que ele nos proporcione ao corpo e à alma!!

Boas férias! 

Por: Sylvia Rodrigues